Evitar dívidas: 10 passos simples para suas Finanças Pessoais

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Quando uma crise econômica se torna “inevitável”, muitas pessoas se desesperam, devido às dívidas que adquiriu quando a situação era melhor. Então vamos falar aqui de como evitar dívidas em tempos de crise.

De fato, não há como prever um problema desses, pelo menos, não a longo prazo, mas, existem meios para que você possa evitar dívidas em tempos de crise.

São recomendações bastante simples e práticas que podem lhe ajudar bastante a minimizar os impactos negativos de um problema financeiro.

E, é pensando nisso que vamos mostrar aqui algumas dicas de como driblar essa situação e sair mais ou menos ileso de algo como um endividamento em tempos de crise.

Evitar dívidas com controle das finanças pessoais

É até lógico começar um planejamento financeiro pela sua fonte mensal de renda, pois, é daí que você tira os seus proventos para os seus gastos cotidianos.

Portanto, é preciso, antes de qualquer coisa, começar analisando as suas finanças pessoais e situação econômica atual a partir de quanto você ganha por mês.

E, para controlar bem esse orçamento, você pode utilizar uma planilha simples ou até mesmo algum aplicativo no Smartphone, que organize, de maneira sequencial, os seus ganhos e os seus gastos.

É importante que essas informações sejam as mais detalhadas possíveis, a fim de que você consiga fazer um planejamento bastante minucioso.

Mas, de que serve esse tipo de planejamento?

Simples: através dele você consegue traçar um perfil claro dos seus gastos e ver se tudo o que você compra com o seu orçamento é realmente indispensável, e se existem coisas supérfluas ali.

É quando você toma decisões de manter certos gastos e cortar outros, a fim de economizar.

Portanto, pense nessa forma de organização, e você verá como será bem mais fácil controlar os seus gastos e evitar dívidas em suas finanças pessoais.

Reduza ou simplesmente corte gastos

evitar dívidas-corte-gastos

Depois de fazer um planejamento detalhado de seus ganhos e gastos, chegou a hora de ir da teoria para a prática.

Ou seja, ir à fonte e reduzir ou tão somente cortar aqueles gastos que você considerar supérfluos, ou que podem ser cortados sem grandes prejuízos.

Exemplos? Em momento de crise financeira, não cabe refeições caras todos os finais de semana, ou compras de roupas em lojas de shopping várias vezes por mês.

Com certeza a tentação por coisas assim é grande, porém, é preciso que se tenha controle.

Obviamente que você pode e deve reservar sempre uma quantia para o lazer e pequenas compras que lhe deem prazer, pois, isso abranda bastante o estresse cotidiano que vivemos nos dias de hoje.

Porém, também é imprescindível que haja um pouco de reflexão e bom senso para ver o que você pode e o que não pode fazer para evitar o endividamento em tempos de crise.

Planeje os seus gastos com antecedência

Com certeza, você já deve ter passado pelo inevitável problema de comprar por impulso, não é verdade?

E, claro, para conseguir acabar de vez com esse problema, nada mais adequado do que planejar muito bem os seus gastos e vide o tópico anterior.

Dentro desse planejamento organizacional, você pode aproveitar, e listar o que você precisa e deseja comprar.

Pegue aquilo que você deseja e avalie se é algo realmente útil, se você pode deixar para comprá-lo mais tarde.

Sobre aquilo que você precisa, você ainda pode avaliar se dá para substituir por algo similar, mas, que seja mais barato.

Racionalizando o que irá comprar, você evita gastos desnecessários, e, com certeza, não precisará evitar dívidas em tempos de crise.

O cartão de crédito pode ser o seu pior inimigo

evitar dívidas-cartao-credito

É verdade que ter um cartão de crédito pode ser bastante útil para comprar algo urgente, caso você não tenha dinheiro naquele exato momento.

No entanto, ele também é uma faca de dois gumes: tanto ele pode ajudar, quanto atrapalhar a sua situação financeira, tornando-se um dos principais fatores de endividamento em tempos de crise nos dias atuais.

Com um cartão de crédito em mãos, você tem a sensação de que pode gastar à vontade, mas, a realidade é outra, principalmente, quando a fatura chega no final do mês.

E, caso você não tenha se planejado o suficiente, o que gastou não dará conta de ser pago com o seu atual orçamento.

Daí a fatura pode não ser paga, e os juros de um cartão de crédito, como todos nós sabemos, são um dos maiores juros cobrados no mercado hoje em dia.

Portanto, utilize esse tipo de cartão sempre de maneira racional e planejada, e só gaste algo a mais com ele em caso de emergência.

Pode ter certeza: você não vai querer ficar endividado com cartão de crédito.

Tenha por hábito poupar todo dinheiro que puder

Essa daqui é uma condição natural de quem planeja os seus gastos: sobrar dinheiro.

E, a partir do momento em que sobra, o que você faz? Gasta essa quantia a mais? De jeito nenhum!

O mais adequado a se fazer é pegar esse dinheiro extra e guardar para qualquer eventualidade futura, ou simplesmente para complementar a compra de algo que você queira ou precisa, mas, que, no momento, não tem condições.

Para fazer uma boa poupança não se precipite, querendo guardar dinheiro demais.

Comece com pequenas quantias, e vá aumentando o volume de acordo com as suas possibilidades.

No final das contas, esse tipo de atitude evita gastos desnecessários, e principalmente, o endividamento em tempos de crise.

Prefira pagar tudo à vista

evitar-dívidas-pagar-a-vista

Evidentemente que, nem sempre é possível ter todo o dinheiro para pagamento de um produto ou serviço à vista, mas, sempre que possível, opte para essa modalidade.

Assim, você estará pagando por algo que esteja dentro das suas possibilidades.

A partir do momento em que parcela uma dívida, você apenas pode estar colocando mais para frente um gasto que talvez não tenha como arcar.

leia também: 10 hábitos de pessoas sem dívidas

Mas, vamos supor que seja inevitável fazer o parcelamento de uma dívida, o que fazer então?

Prefira parcelamentos de curto prazo, que possam acabar logo, pois, a partir do momento em que alonga uma dívida em muitas parcelas, você apenas está gastando mais, visto que os juros, nesses casos são maiores.

Então, sempre que possível, opte por um parcelamento de 3, 4 ou até 5 vezes, no máximo.

Evitar dívidas prolongadas também ajuda você a não ter endividamento em tempos de crise.

Procure por descontos

Economizar também significa procurar pagar menos até por aquilo que, inevitavelmente, você precisa comprar.

Por isso, qualquer desconto é válido, pois, em uma compra com muitos produtos, por exemplo, o gasto vai ser diminuído, evitar que você, por ventura, tenha gasto além da conta.

Na dúvida, verifique sempre produtos e serviços alternativos oferecidos na Internet para que você possa, quem sabe, descobrir que tem lugares onde você possa pagar menos por aquilo que você sempre compra.

Só se lembre que qualquer coisa que você foi adquirir via net, avalie sempre os fornecedores, o prazo de entrega, e a qualidade dos produtos. Assim, você não estará “comprando gato por lebre”.

Portanto, sempre tenta buscar por descontos em tudo o que for comprar.

Além disso, evitar dívidas em suas finanças pessoais, ainda fornece uma grande satisfação pelo fato de você estar economizando por algo que queira ou que precise naquele momento.

Economize no transporte

Caso você não tenha carro próprio, mas, pega com frequência táxi, Uber e outros transportes alternativos, a depende das suas necessidades, repense essa atitude.

Pergunte-se: “Será que seria viável eu usar mais transporte público durante a semana”? “Isso me atrasaria mais ou não faria diferença”?

Uma coisa é certa: a diferença vai ser sentida no bolso, pois mesmo com transportes alternativos mais em conta, usar o transporte público ainda é uma garantia certeira de economia.

Faça economia nas contas de consumo

evitar-dívidas-contas-consumo

Eis aqui outro agravante em relação aos altos custos que podemos ter durante o mês.

Nesse sentido, avalie se você está com gastos desnecessários de água, luz, telefone, gás, Internet e por aí vai.

Pergunte-se: “Será que dá para economizar nos gastos com energia deixando o ar-condicionado desligado por algum tempo”? “Será que eu faço uso racional em casa, desde o meu banho, até limpar a casa”?

Portanto, questione sempre como você está gastando os recursos de sua casa, e se isso está impactando nas suas finanças, e conduzindo você a não evitar dívidas em tempos de crise.

Evitar dívidas novas

Essa dica pode soar meio redundante, mas, cabe muito bem aqui.

Isso porque, mesmo em tempos difíceis muitas pessoas acabam adquirindo novas dívidas, o que pode ser um agravante para todo e qualquer planejamento.

Como uma “bola de neve”, novas dívidas se juntam às antigas, e o controle delas, a longo prazo, pode ficar comprometido.

Portanto, cabe ressaltar os outros tópicos deste artigo, no tocante a ter planejamento e organização dos seus gastos, tentar pagar tudo à vista, e, por fim, evitar novas dívidas o máximo que puder.

Com essas orientações, com certeza, você refletirá melhor sobre os seus gastos, poderá passar tempos de crise sem endividamentos e outras dores de cabeça.

Inclusive, uma boa dica é usar o dinheiro que foi economizado para investir.

Para isso procure saber como investir e onde investir, assim é possível obter ótimos retornos financeiros.

E, quando a crise passar, você estará pronto e mais preparado para qualquer eventualidade que surgir no futuro.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.